Enquanto

Posted on 08. dez, 2015 by Fábio Bioca in Poesia

nuvens_

Hoje, preciso mesmo é conversar por horas.
Deitar em um jardim para olhar as nuvens.
Procurar enxergar aquilo que nem existe.
Especular sobre o futuro. Do presente e do pretérito.
Sobre as fantásticas utopias da vida.
Sobre ínfimos segredos íntimos.
Sobre sonhos extravagantes.
Sobre o tocar das mãos e o calor da respiração.
Sobre aquelas palavras que escondemos atrás do ouvido de quem se quer bem.
Tudo isso sem ter hora, nem obrigações.
Ver o róseo sol se despedir no azul da noite
e, irresponsavelmente, deixar anoitecer.
Sentir a grama sob os pés descalços,
resfriando no carinho da brisa vespertina.
Beber um merlot no gargalo.
Rir à toa…
Fechar os olhos e esperar um abraço.
A cabeça encostada no peito.
O cheiro doce dos cabelos…
Ir por ora, embora, devagar.
Te levar pra outro lugar,
sem o compromisso de chegar.

Comments are closed.