Piá

Posted on 30. mar, 2017 by Fábio Bioca in Poesia

piablue

Não tive qualquer escolha
Foi fato no meu destino.
A fórceps, fêz-se o despejo.
Entre dores e lampejos,
mãe, justo deu-me à luz
dos pinhais ao mundo, menino.
Alimentado a chineque,
pinhão e carne de sete,
bebi água do Iguaçu,
chorei e sorri com o Coxa,
xinguei o outro de jacu.
Fiz meu próprio rolimã,
corri muito atrás de balão.
Amei mais que podia.
Fiz amigos mais que irmãos.
Depois, novamente o destino
levou-me pra longe dali.
Mas sem perder todo o jeito,
saudoso da terra, meu chão,
eu sempre carrego no peito
um grito de gralha que vibra
com o orgulho de quem será sempre
aquele piá de Curitiba.

Comments are closed.