Tag Archives: sensação

Ponto de fuga

Posted on 24. mai, 2016 by Fábio Bioca.

0

O resumo de uma saga. A catártica caminhada em busca do que está por vir.

Continue Reading

Mea culpa

Posted on 31. mar, 2016 by Fábio Bioca.

0

Uma confissão de falência após a fermentação da alma, nas caves obscuras do tempo.

Continue Reading

Imponderável

Posted on 13. nov, 2015 by Fábio Bioca.

0

Uma viagem desafiando a impositiva gravidade. Uma visão da vida mais simples.

Continue Reading

Cinzar

Posted on 28. set, 2015 by Fábio Bioca.

0

O intervalo, o desencontro, o momentâneo adeus e a repercussão nas percepções de quem se sente só.

Continue Reading

Causa Mortis

Posted on 25. ago, 2015 by Fábio Bioca.

0

Um ensaio sobre a abstração da saudade e a sua angustiante inclinação para a separação definitiva.

Continue Reading

Triz

Posted on 13. jul, 2015 by Fábio Bioca.

0

A consciência limpa de quem amou sem reserva, sem desconhecer e respeitar os riscos, a dor e o abandono.

Continue Reading

Néctar

Posted on 16. jun, 2015 by Fábio Bioca.

0

Uma rápida ilustração da abdicação da própria natureza, motivada pelo confronto do prazer da companhia de quem se deseja com a brevidade do tempo a que se permite tal paixão.

Continue Reading

Exílio em Gondwana

Posted on 10. dez, 2014 by Fábio Bioca.

0

Contra tudo que se quis, avassala tectônica
a expulsão lenta, invisível. Definitivamente os repele.
Num padrão de sismos, multiplica sua frequência
enquanto sabotam o mundo. Colidem insanos. Desidia.
Vítimas da intensidade, contemplam-se embatidas, opostas.
Há certa beleza sarcástica nas cicatrizes que secam,
mas também dor pressentida no olhar aflito de ambos.
A maciez da seda e a fumaça desta paixão avessa,
agridem a [...]

Continue Reading

Difusão

Posted on 16. jul, 2014 by Fábio Bioca.

0

Uma fração de tempo capaz de dizer tanto sobre as ansiedades que ocupam o coração.

Continue Reading

Solaz

Posted on 10. abr, 2014 by Fábio Bioca.

0

A ânsia de reencontrar um refúgio para a alma e descanso para a mente, os olhos e coração.

Continue Reading

Aevum

Posted on 20. ago, 2013 by Fábio Bioca.

4

A tragédia da raiva, do arrependimento e da dor. Um ciclo que começa no adeus e dura interminavelmente.
“Aevum”, sem duração, sem fim.

Continue Reading

Sublimação

Posted on 09. jun, 2013 by Fábio Bioca.

0

Uma viagem no tempo, na carona de uma nuvem.

Continue Reading

Orbital

Posted on 11. abr, 2013 by Fábio Bioca.

0

A narrativa de um reencontro no ocaso. A falta de luz acentua a sensação tátil e a atração.

Continue Reading

Vício

Posted on 18. mar, 2013 by Fábio Bioca.

18

Um pequeno ensaio sobre a amizade e o amor, suas similaridades, origem e fim.

Continue Reading

Desilusão

Posted on 11. mai, 2012 by Fábio Bioca.

1

Neste exato agora, nada é instantâneo.
Não há alívio nem pausa no flagelo da incerteza.
Nem o sono é capaz de revigorar o ânimo.
O que sobra é o sumo de um limão amanhecido.
É como um minuto antes da vontade de limpar
O quarteirão avassalado pela rudez de um furacão.
Como encontrar fotos da casa que já não existe
Em meio [...]

Continue Reading

Caleidoscópio

Posted on 10. abr, 2012 by Fábio Bioca.

1

Uma “reflexão” sobre o quanto a amizade nos faz sermos cada vez mais iguais, apesar das discrepâncias, dos acidentes, dos abismos e das inflexões…

Continue Reading

Empuxo

Posted on 22. jul, 2011 by Fábio Bioca.

1

Uma sincera tentativa de aprender a usar a abstenção como motivação.

Continue Reading

Sem causa

Posted on 05. jul, 2011 by Fábio Bioca.

1

Obra do acaso, propriamente ou fruto da soma dos anseios, que tentam explicar a origem dos fatos.

Continue Reading

Natural

Posted on 24. jun, 2011 by Fábio Bioca.

0

Se nos olharmos bem de perto
O quanto somos imperfeitos,
É natural que se suma
e é natural que se assuma
que nada disso é da própria natureza.

Continue Reading

Ninar

Posted on 08. mai, 2011 by Fábio Bioca.

2

Uma ode à minha mãe Aurenir Maria Laskosky Rolim de Moura. Grande mulher, guerreira, animadora de desalentados, que deu colo a centenas de crianças sem mães, que abriu mão de sonhos para ensinar que a vida é uma dádiva e que o futuro pode ser melhor do que nos melhores contos infantis. Mas, antes de tudo, que me amou desde aquele nosso primeiro Dia das Mães, em maio de 1973, sem pedir nada em troca.

Continue Reading